Site bolsonarista Terça Livre encerra atividades após decisões da Justiça

1 mês atrás 30

https://cdnnbr1.img.sputniknews.com/img/07e5/0a/16/18149398_0:0:2861:1611_1200x675_80_0_0_88b28508473499a138faffbee493669d.jpg.webp

Sputnik Brasil

https://cdnnbr1.img.sputniknews.com/i/logo.png

https://br.sputniknews.com/brasil/2021102318157049-site-bolsonarista-terca-livre-encerra-atividades-apos-decisoes-da-justica/

Blog saiu do ar um dia após um ministro do Supremo Tribunal Federal pedir a prisão e extradição de Allan dos Santos, um dos fundadores do site, que está morando nos EUA.

O site bolsonarista Terça Livre encerrou suas atividades na noite de sexta-feira (22), de acordo com mensagem publicada na rede social Twitter por Italo Lorenzon, um dos fundadores do blog.

Hoje, 22/10/2021, o Terça Livre encerrou suas atividades.

Muito obrigado a todos.

— Italo Lorenzon (@LorenzonItalo) October 23, 2021

​A declaração ocorre após série de decisões judiciais, como a determinação de exclusão do canal Terça Livre no YouTube pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, responsável pelas investigações sobre milícias digitais, e suas atuações na perpetuação de fake news e de atentarem contra a democracia. Todo o conteúdo do site encontra-se fora do ar.

Allan dos Santos, que também é fundador do Terça Livre, está nos EUA. Seu nome será inserido na Difusão Vermelha da Interpol, que torna possível a sua prisão no exterior. Suas contas bancárias também foram bloqueadas.

© Folhapress / Pedro Ladeira

Alexandre de Moraes (e), Luis Roberto Barroso e Jair Bolsonaro (d) em Brasília. Foto de arquivo

Segundo Moraes, mesmo investigado pelo STF, Allan dos Santos seguiu direcionando ataques contra o Supremo, "sempre utilizando a aparência de cobertura jornalística para validar seu discurso". Na decisão contra o blogueiro, o ministro frisou que a postura do blogueiro rompeu "a linha que separa o discurso radical da prática de crimes de ódio e de incitação a práticas nocivas à harmonia dos poderes da República".

Na sexta-feira (22), Allan dos Santos afirmou que só se apresentará quando a Interpol agir, reporta o portal UOL.

Fonte