Senador dos EUA insta Biden a não excluir possibilidade de 'ataque nuclear preventivo' contra Rússia

1 mês atrás 30

https://br.sputniknews.com/20211209/senador-dos-eua-insta-biden-a-nao-excluir-possibilidade-de-ataque-nuclear-preventivo-contra-russia-20636218.html

Senador dos EUA insta Biden a não excluir possibilidade de 'ataque nuclear preventivo' contra Rússia

Senador dos EUA insta Biden a não excluir possibilidade de 'ataque nuclear preventivo' contra Rússia

Presidente dos EUA Joe Biden não deve "descartar primeiro uso de ação nuclear", ou seja, um ataque nuclear preventivo contra a Rússia no caso de uma incursão... 09.12.2021, Sputnik Brasil

2021-12-09T10:10-0300

2021-12-09T10:10-0300

2021-12-09T10:10-0300

panorama internacional

ucrânia

vladimir putin

joe biden

arma nuclear

rússia

comitê de serviços armados do senado dos eua

/html/head/meta[@name='og:title']/@content

/html/head/meta[@name='og:description']/@content

https://cdnnbr1.img.sputniknews.com/img/719/83/7198303_0:129:2473:1520_1920x0_80_0_0_17977309bad4893594652744fec3a359.jpg.webp

O senador do estado norte-americano de Mississippi fez estes comentários em uma entrevista ao canal Fox News a partir do Capitólio, avaliando a recente videoconferência realizada entre o presidente russo Vladimir Putin e o líder dos EUA Joe Biden. A conversa girou em torno de questões como as tensões relacionadas com a Ucrânia em meio a alegações histéricas de uma suposta "invasão russa" do país vizinho. Biden expressou "profundas preocupações" de seu país sobre o suposto acumulo de tropas e "deixou claro" a Putin que os EUA e seus aliados responderiam com fortes sanções econômicas e outras medidas em caso de qualquer escalada militar na Ucrânia. No entanto, o presidente americano descartou enviar soldados dos EUA ao território ucraniano, dizendo que esta opção "não está em cima da mesa". Senador Wicker, por sua vez, expressou a esperança de que Joe Biden adotasse uma postura mais dura e mantivesse todas as opções em aberto. A retórica agressiva de Wicker não parou por aí, e ele acrescentou: "Não descartamos o primeiro uso de ação nuclear […] Não achamos que isso vá acontecer, mas há certas coisas em negociação, se vai ser duro não tire [esta opção] da mesa", concluiu o político dos EUA. A embaixada russa em Washington respondeu às declarações "irresponsáveis" feitas pelo senador Roger Wicker em uma mensagem divulgada na página da entidade diplomática no Facebook. Na nota, a embaixada sugeriu ao político reler cuidadosamente a declaração conjunta dos presidentes da Rússia e dos EUA datada de 16 de junho de 2021. Este documento confirma a adesão dos dois países ao princípio de que não pode haver vencedores em uma guerra nuclear e que essa guerra nunca deve ser desencadeada.

https://br.sputniknews.com/20211123/shoigu-10-bombardeiros-estrategicos-dos-eua-ensaiaram-ataque-com-armas-nucleares-contra-russia-20247607.html

ucrânia

Sputnik Brasil

contato.br@sputniknews.com

+74956456601

MIA „Rosiya Segodnya“

2021

Sputnik Brasil

contato.br@sputniknews.com

+74956456601

MIA „Rosiya Segodnya“

notícias

br_BR

Sputnik Brasil

contato.br@sputniknews.com

+74956456601

MIA „Rosiya Segodnya“

https://cdnnbr1.img.sputniknews.com/img/719/83/7198303_137:0:2336:1649_1920x0_80_0_0_89d3ea704baea282f23fd51eece8c381.jpg.webp

Sputnik Brasil

contato.br@sputniknews.com

+74956456601

MIA „Rosiya Segodnya“

ucrânia, vladimir putin, joe biden, arma nuclear, rússia, comitê de serviços armados do senado dos eua

Presidente dos EUA Joe Biden não deve "descartar primeiro uso de ação nuclear", ou seja, um ataque nuclear preventivo contra a Rússia no caso de uma incursão potencial na Ucrânia, disse senador dos EUA Roger Wicker, alto representante do Partido Republicano no Comitê do Senado para as Forças Armadas.

O senador do estado norte-americano de Mississippi fez estes comentários em uma entrevista ao canal Fox News a partir do Capitólio, avaliando a recente videoconferência realizada entre o presidente russo Vladimir Putin e o líder dos EUA Joe Biden.

A conversa girou em torno de questões como as tensões relacionadas com a Ucrânia em meio a alegações histéricas de uma suposta "invasão russa" do país vizinho.

Biden expressou "profundas preocupações" de seu país sobre o suposto acumulo de tropas e "deixou claro" a Putin que os EUA e seus aliados responderiam com fortes sanções econômicas e outras medidas em caso de qualquer escalada militar na Ucrânia.

No entanto, o presidente americano descartou enviar soldados dos EUA ao território ucraniano, dizendo que esta opção "não está em cima da mesa".

Os bombardeiros B-1B Lancer dos EUA - Sputnik Brasil, 1920, 23.11.2021

Senador Wicker, por sua vez, expressou a esperança de que Joe Biden adotasse uma postura mais dura e mantivesse todas as opções em aberto.

"Eu não descartaria ação militar [...] Ação militar pode significar que nós estaríamos com nossos navios no mar Negro e espalharíamos destruição na capacidade militar russa […] Poderia significar tropas americanas no terreno", comentou senador.

A retórica agressiva de Wicker não parou por aí, e ele acrescentou: "Não descartamos o primeiro uso de ação nuclear […] Não achamos que isso vá acontecer, mas há certas coisas em negociação, se vai ser duro não tire [esta opção] da mesa", concluiu o político dos EUA.

A embaixada russa em Washington respondeu às declarações "irresponsáveis" feitas pelo senador Roger Wicker em uma mensagem divulgada na página da entidade diplomática no Facebook.

Na nota, a embaixada sugeriu ao político reler cuidadosamente a declaração conjunta dos presidentes da Rússia e dos EUA datada de 16 de junho de 2021. Este documento confirma a adesão dos dois países ao princípio de que não pode haver vencedores em uma guerra nuclear e que essa guerra nunca deve ser desencadeada.

Fonte