Por causa de voos civis, Síria não usou sistemas de defesa aérea para responder a ataques de Israel

1 semana atrás 18

https://cdnnbr1.img.sputniknews.com/i/logo-itemprop.png

Sputnik Brasil

https://cdnnbr1.img.sputniknews.com/i/logo.png

https://br.sputniknews.com/oriente_medio_africa/2021101418124220-por-causa-de-voos-civis-siria-nao-usou-sistemas-de-defesa-aerea-para-responder-a-ataques-de-israel/

Ataque aéreo na Sìria na quarta-feira (13) foi realizado pelas forças israelenses, revelam militares russos. Mísseis foram vistos na região de Al-Tanf, onde fica uma base norte-americana.

Os militares sírios decidiram não usar sistemas de defesa aérea no momento do ataque das forças militares israelenses na quarta-feira (13) porque duas aeronaves civis passavam pela área, afirmou nesta quinta-feira (14) Vadim Kulit, contra-almirante e vice-diretor do Centro Russo para a Reconciliação das Partes Combatentes na Síria. 

"Em 13 de outubro [...] quatro caças táticos F-16 da Força Aérea israelense entraram no espaço aéreo sírio na zona de Al-Tanf, ocupada pelos EUA, na província de Homs e atingiram uma planta de processamento de minério de fosfato na região de Palmira [...]. A liderança militar síria decidiu não usar sistemas de defesa aérea, já que no momento do ataque israelense, duas aeronaves civis de passageiros estavam [passando] na zona de destruição dos sistemas antiaéreos", disse Kulit durante coletiva.

O ataque israelense na quarta-feira (13) atingiu ainda uma torre de comunicação e a área perto da cidade de Palmira, antiga cidade na província de Homs, cerca de 210 quilômetros a leste de Damasco. Um soldado do Exército Árabe Sírio morreu e outros três ficaram feridos.

© Sputnik / Mikhail Voskresensky

Consequências do ataque aéreo americano contra base aérea síria na província de Homs

Além de Israel, nas últimas semanas, os EUA lançaram ataques aéreos na Síria visando atingir membros do Hayat Tahrir al-Sham (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países), ligados à Al-Qaeda (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países), que dominam a região de Idlib.

Fonte