'Pompeia Jurássica': pedreira britânica revela fósseis extraordinários de animais marinhos (FOTOS)

1 semana atrás 64

Pesquisadores encontram sítio de escavação estimado em 167 milhões de anos com ajuda de Google Earth e se espantam com centenas de milhares de fósseis extraordinários de animais marinhos raros.

Paleontólogos britânicos, incluindo Tim Ewin, estudam uma extraordinária coleção de fósseis de animais encontrados em uma pedreira, que é, sem dúvida, um dos mais importantes sítios de escavação jurássica já descobertos na região de Cotswold, no Reino Unido.

Segundo ele, há 167 milhões de anos tudo na região foi coberto por um mar raso, talvez 20 a 40 metros de profundidade. E foi muito mais quente do que o tradicional verão inglês. O movimento das placas tectônicas significa que a Grã-Bretanha estava aproximadamente onde o Norte da África está hoje.

As quantidades envolvidas são surpreendentes. Não centenas, não milhares, mas talvez dezenas de milhares desses animais que os cientistas chamam coletivamente de "equinodermos", segundo reportagem da BBC.

O casal Sally e Neville Hollingworth foi o responsável pela descoberta durante o confinamento. Eles identificaram o potencial da pedreira depois de examinar a localização no Google Earth e compará-la com os mapas geológicos da área. Quando Tim Ewin foi notificado, ele imediatamente reconheceu a importância da pedreira e providenciou para que uma equipe de especialistas viesse e conduzisse uma busca sistemática.

Vida marinha nos tempos do Jurássico

Os paleontólogos encontraram espécies variadas. Desde animais chamados lírios do mar viviam agarrados a grandes "prados", estrelas de penas e ainda nos sedimentos, estrelas do mar, estrelas quebradiças, ouriço-do-mar e pepino-do-mar.

Os pesquisadores esperam que esses fósseis revelem percepções sobre o desenvolvimento evolutivo e a diversificação desses equinodermos icônicos e ecologicamente importantes

A instituição de Tim Ewin, o Museu de História Natural de Londres, tem esses itens guardados em um pequeno espaço que agora será totalmente inadequado para acomodar a carga de caminhões de novos exemplos que está chegando.

"Nesta era de rocha do Jurássico Médio, apenas duas espécies de estrelas do mar eram conhecidas, representadas por cinco espécimes", diz ele. "Em apenas alguns dias de coleta aqui, temos 12 espécimes de estrelas do mar e esperamos encontrar muitos mais", conclui.

Alguns podem parecer plantas, mas são todos animais. Possuem esqueletos de calcita, simetria radial e sistema nervoso. Partes perdidas podem crescer novamente, assim como a cauda de uma lagartixa.

Preservação extraordinária 

Os cientistas relatam também que a qualidade da preservação é de cair o queixo. À primeira vista, lembra um prato de macarrão, mas na verdade, é uma grande massa de armas fósseis de sabe-se lá quantos lírios do mar. Os espécimes são totalmente articulados. Ou seja, todas as partes ainda estão intactas.

"Falamos sobre os cincos (simetria radial) nos equinodermos. Eles estão todos lá; você pode vê-los", disse o preparador sênior de fósseis do Museu de História Natural, Mark Graham.

O preparador de fósseis sênior do museu, Mark Graham, revela um crinoide no calcário

O curador do Museu de História Natural, Zoe Hughes, conta que um terremoto pode ter causado deslizamento de terra e isso veio e cobriu tudo. "É por isso que a preservação é tão incrível, porque os necrófagos não conseguiram pegar todos aqueles animais para separá-los", explica.

Especialistas em equinodermos fósseis acreditam que a pedreira de Cotswold os ajudará a categorizar melhor os diferentes estágios de vida das espécies, sua ecologia e sua posição adequada na história evolutiva.

Os pesquisadores estimam que livros podem não precisar ser reescritos, mas algumas notas extensas quase certamente terão que ser adicionadas às margens.

"Vivemos em um mundo em mudança hoje, e se quisermos entender como as mudanças climáticas podem afetar não apenas o futuro da humanidade, mas de toda a vida na superfície da Terra, então os equinodermos são um dos melhores grupos para estudar", diz ele.

Como Neville Hollingworth gosta de dizer: "O que temos aqui é uma espécie de Pompeia Jurássica", compara.
Fonte