Polícia faz operação para prender suspeitos da morte de meninos desaparecidos em Belford Roxo

1 mês atrás 37

A Polícia Civil do Rio realiza nesta quinta-feira (9) uma operação em Castelar, comunidade de Belford Roxo, para prender os suspeitos pela morte de três crianças, desaparecidas desde o final do ano passado.

Segundo os investigadores, Lucas Matheus da Silva, 9, seu primo Alexandre da Silva, 11, e o amigo deles Fernando Henrique Soares, 12, foram mortos por terem roubado passarinhos de traficantes da comunidade.

A operação conta com 250 agentes e visa cumprir 56 mandados de prisão no inquérito conduzido pela DHBF (Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense). Segundo informações do portal G1, ao menos 31 pessoas já foram presas na ação.

De acordo com a polícia, o mandante da morte das crianças teria sido Wiler Castro da Silva, o Estala, que teria chefiado uma espécie de tribunal do crime que determinou o assassinato dos meninos após eles terem supostamente roubado as aves.

A punição aos garotos no tribunal do crime, porém, teria sido definida sem que as lideranças soubessem que os autores do furto eram crianças menores de 12 anos.

Após o desaparecimento, que despertou a atenção da mídia e da polícia, Estala foi chamado ao Complexo da Penha (na zona norte carioca) e morto com autorização da cúpula do Comando Vermelho de dentro de um presídio, dizem os investigadores.

As mães dos meninos têm mostrado descrédito em relação à hipótese da polícia e suspeitam da milícia que atua na região. Elas afirmam que seus filhos não roubariam passarinhos. Também criticam a lentidão na resolução do caso e alegam que a polícia demorou a agir no início.

No mês passado, a Polícia Civil prendeu um homem apontado como suspeito de ser um dos chefes do tráfico de drogas do Castelar. Ele é acusado de mandar torturar em janeiro um morador falsamente apontado como responsável pelo sumiço das crianças.

Ele teria ordenado que traficantes e usuários de drogas levassem a vítima até a delegacia para que ela confessasse o crime. A participação desse vizinho, porém, depois foi descartada pela polícia.

Fonte