Opositor da equipe de Guaidó apela à dissolução do 'governo interino' da Venezuela

1 mês atrás 51

Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021

Panorama internacional

Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

https://br.sputniknews.com/20211206/opositor-da-equipe-de-guaido-apela-a-dissolucao-do-governo-interino-da-venezuela----20537188.html

Opositor da equipe de Guaidó apela à dissolução do 'governo interino' da Venezuela

Opositor da equipe de Guaidó apela à dissolução do 'governo interino' da Venezuela

O opositor venezuelano Julio Borges renunciou ao cargo de comissário de Relações Exteriores, que tinha no denominado "governo interino" de Juan Guaidó, e... 06.12.2021, Sputnik Brasil

2021-12-06T04:44-0300

2021-12-06T04:44-0300

2021-12-06T04:45-0300

panorama internacional

venezuela

opositor

governo interino

américas

nicolás maduro

juan guaidó

/html/head/meta[@name='og:title']/@content

/html/head/meta[@name='og:description']/@content

https://cdnnbr1.img.sputniknews.com/img/1478/56/14785697_0:161:3071:1888_1920x0_80_0_0_2e4fbc99c1c15209d45f2d492a043bbb.jpg.webp

Ele disse que vai deixar o seu cargo, indicando que sua renúncia será oficial na próxima terça-feira (7). Nesse contexto, Borges, que reside na Colômbia e é acusado na Venezuela de participar de um complô contra o presidente Nicolás Maduro, declarou que o chamado governo interino não serve seu propósito e deve ser dissolvido. "O conceito de governo interino tem que desaparecer completamente, não podemos continuar com uma burocracia que no ano passado chegou a quase 1.600 pessoas, pedimos para eliminar isso completamente", afirmou. Em diversas ocasiões, o governo do presidente Nicolás Maduro acusou Borges de estar por trás do roubo de empresas estatais venezuelanas no exterior, bem como de dirigir tentativas de desestabilização e de assassinato a partir da Colômbia. Em uma coletiva de imprensa virtual, Borges disse que o “governo interino” busca se prolongar indefinidamente, assinalando que ele deixou de ser um meio para derrubar Maduro do poder.

venezuela

Sputnik Brasil

contato.br@sputniknews.com

+74956456601

MIA „Rosiya Segodnya“

2021

Sputnik Brasil

contato.br@sputniknews.com

+74956456601

MIA „Rosiya Segodnya“

notícias

br_BR

Sputnik Brasil

contato.br@sputniknews.com

+74956456601

MIA „Rosiya Segodnya“

https://cdnnbr1.img.sputniknews.com/img/1478/56/14785697_170:0:2901:2048_1920x0_80_0_0_e1b5ebc9c2ce39b84569bebd8caaab58.jpg.webp

Sputnik Brasil

contato.br@sputniknews.com

+74956456601

MIA „Rosiya Segodnya“

venezuela, opositor, governo interino, américas, nicolás maduro, juan guaidó

04:44 06.12.2021 (atualizado: 04:45 06.12.2021)

O opositor venezuelano Julio Borges renunciou ao cargo de comissário de Relações Exteriores, que tinha no denominado "governo interino" de Juan Guaidó, e denunciou que essa entidade propiciou atos de corrupção.

Ele disse que vai deixar o seu cargo, indicando que sua renúncia será oficial na próxima terça-feira (7).

Nesse contexto, Borges, que reside na Colômbia e é acusado na Venezuela de participar de um complô contra o presidente Nicolás Maduro, declarou que o chamado governo interino não serve seu propósito e deve ser dissolvido.

"O conceito de governo interino tem que desaparecer completamente, não podemos continuar com uma burocracia que no ano passado chegou a quase 1.600 pessoas, pedimos para eliminar isso completamente", afirmou.

"O governo interino resultou em uma instância que tem propiciado inaceitáveis ações de corrupção que prejudicam gravemente a luta democrática e nos afastam de nosso objetivo de liberdade", disse Borges.

Em diversas ocasiões, o governo do presidente Nicolás Maduro acusou Borges de estar por trás do roubo de empresas estatais venezuelanas no exterior, bem como de dirigir tentativas de desestabilização e de assassinato a partir da Colômbia.

Em uma coletiva de imprensa virtual, Borges disse que o “governo interino” busca se prolongar indefinidamente, assinalando que ele deixou de ser um meio para derrubar Maduro do poder.

Fonte