Ocupação deve continuar a crescer, mas com vagas precárias e renda menor, diz LCA

1 mês atrás 19

Cenário é de renda estagnada desde o fim de 2020, sem auxílio emergencial e Auxílio Brasil pouco amplo, observa economista Cosmo Donato

Os dados da Pnad Contínua mostram uma recuperação expressiva da população ocupada no terceiro trimestre do ano, influenciada pelo avanço da vacinação contra a covid-19. É um movimento que deve prosseguir no quarto trimestre, mas com vagas precárias e de baixo rendimento, avalia o economista Cosmo Donato, da LCA Consultores.

“As pessoas agora podem circular e sair para trabalhar, mas, infelizmente, com a economia andando devagar, a diminuição da qualidade do trabalho vai continuar acontecendo”, diz. Ao menos no quarto trimestre, a ocupação tem espaço para continuar a crescer. “O fim das restrições [à mobilidade] é recente e o mercado de trabalho demora a reagir”, observa.

Natal na 25 de março: “As pessoas agora podem circular e sair para trabalhar, mas, infelizmente, com a economia andando devagar", diz Donato — Foto: Marcos Alves/Agência O Globo

Segundo o IBGE, a taxa de desemprego caiu para 12,6% no trimestre encerrado em setembro, e a LCA estima que deve recuar mais, a 11,5% em dezembro. Já num prazo mais longo, esse recuo deve perder ímpeto. No fim de 2022, a taxa deve chegar a 11,2%. “Em 2022, essa onda de pessoas se recolocando vai desacelerar em meio a uma economia debilitada”.

As projeções de desemprego da LCA ainda não foram revistas com base na reponderação da Pnad Contínua feita pelo IBGE. Mas Donato diz que a nova série não muda a avaliação quanto ao comportamento dos indicadores da pesquisa.

Quanto à renda, o economista chama atenção para o recuo, em termos reais, de 11%, no rendimento médio habitual, o que, para efeitos de massa de renda, anulou a alta de 10% da população ocupada, na comparação com o mesmo período do ano passado. “Vemos um cenário de renda estagnada desde o fim do ano passado. Não tem mais auxílio emergencial, o Auxílio Brasil não é amplo. Há um cenário muito difícil daqui para frente, em que teremos pessoas ocupadas mas como empregos de qualidade ruim”.

Quanto aos novos dados da Pnad, Donato observa que o emprego com carteira assinada passou a conversar um pouco melhor com os números do Caged. Ele também destaca que a qualidade da pesquisa aumentou. “Não chega a ser uma revisão que anula todo o viés da taxa de resposta da pandemia, mas melhorou a qualidade”, afirmou.

No auge da pandemia, o IBGE foi obrigado a realizar a pesquisa por telefone, em vez de presencial, o que diminuiu a taxa de resposta do levantamento. De forma geral, afirma Donato, os novos dados não mudaram a interpretação já estabelecida sobre a dinâmica do mercado de trabalho.

Fonte