Moraes abre inquérito contra Bolsonaro por associar vacina contra COVID-19 à Aids

1 mês atrás 31

https://br.sputniknews.com/20211203/moraes-abre-inquerito-contra-bolsonaro-por-associar-vacina-contra-covid-19-a-aids-20521532.html

Moraes abre inquérito contra Bolsonaro por associar vacina contra COVID-19 à Aids

Moraes abre inquérito contra Bolsonaro por associar vacina contra COVID-19 à Aids

Nesta sexta-feira (3), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou a abertura de um inquérito contra o presidente Jair... 03.12.2021, Sputnik Brasil

2021-12-03T19:48-0300

2021-12-03T19:48-0300

2021-12-03T19:48-0300

notícias do brasil

inquérito

aids

jair bolsonaro

alexandre de moraes

vacinação

/html/head/meta[@name='og:title']/@content

/html/head/meta[@name='og:description']/@content

https://cdnnbr1.img.sputniknews.com/img/07e5/0c/03/20521742_0:0:1024:577_1920x0_80_0_0_48d684b4d416effdd0fcaf11fc43516f.jpg.webp

Na decisão, conforme publicado pelo portal G1, Moraes se opõe à Procuradoria-Geral da República (PGR), que resolveu apenas abrir uma apuração preliminar interna para avaliar a declaração do presidente. O ministro atendeu a um pedido da CPI da Covid.O caso ocorreu durante uma live de Bolsonaro nas redes sociais no dia 22 de outubro. A associação feita por ele na transmissão não tem base científica e foi rejeitada e criticada por especialistas à época.Na live, Bolsonaro disse que relatórios oficiais do Reino Unido teriam sugerido que pessoas totalmente vacinadas contra a COVID-19 estariam desenvolvendo Aids "muito mais rápido que o previsto".O vídeo acabou sendo retirado do ar por Facebook, YouTube e Instagram.Em sua determinação, Moraes ainda criticou a Procuradoria-Geral da República. Segundo o ministro, não caberia à PGR abrir apuração interna já que o STF foi provocado a partir de uma notícia-crime contra o presidente.

https://br.sputniknews.com/20211202/o-que-esperar-da-atuacao-de-andre-mendonca-novo-ministro-do-stf-20498357.html

Sputnik Brasil

contato.br@sputniknews.com

+74956456601

MIA „Rosiya Segodnya“

2021

Sputnik Brasil

contato.br@sputniknews.com

+74956456601

MIA „Rosiya Segodnya“

notícias

br_BR

Sputnik Brasil

contato.br@sputniknews.com

+74956456601

MIA „Rosiya Segodnya“

https://cdnnbr1.img.sputniknews.com/img/07e5/0c/03/20521742_0:0:1024:768_1920x0_80_0_0_4265838b4703fa3bb6da7feb6025677d.jpg.webp

Sputnik Brasil

contato.br@sputniknews.com

+74956456601

MIA „Rosiya Segodnya“

inquérito, aids, jair bolsonaro, alexandre de moraes, vacinação

Nesta sexta-feira (3), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou a abertura de um inquérito contra o presidente Jair Bolsonaro por relacionar a vacinação contra a COVID-19 a um maior risco de contrair o vírus HIV e desenvolver Aids.

Na decisão, conforme publicado pelo portal G1, Moraes se opõe à Procuradoria-Geral da República (PGR), que resolveu apenas abrir uma apuração preliminar interna para avaliar a declaração do presidente. O ministro atendeu a um pedido da CPI da Covid.

"Não há dúvidas de que as condutas noticiadas do presidente da República, no sentido de propagação de notícias fraudulentas acerca da vacinação contra a COVID-19, utilizam-se do modus operandi de esquemas de divulgação em massa nas redes sociais, revelando-se imprescindível a adoção de medidas que elucidem os fatos investigados, especialmente diante da existência de uma organização criminosa - identificada no Inquérito 4.781/DF (que justificou a distribuição por prevenção desta Pet) e no Inquérito 4.874/DF", afirmou o ministro na decisão.

O caso ocorreu durante uma live de Bolsonaro nas redes sociais no dia 22 de outubro. A associação feita por ele na transmissão não tem base científica e foi rejeitada e criticada por especialistas à época.

Na live, Bolsonaro disse que relatórios oficiais do Reino Unido teriam sugerido que pessoas totalmente vacinadas contra a COVID-19 estariam desenvolvendo Aids "muito mais rápido que o previsto".

O vídeo acabou sendo retirado do ar por Facebook, YouTube e Instagram.

André Mendonça, novo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), durante a sessão do Comitê de Constituição e Justiça do Senado Federal, em Brasília, em 1º de dezembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 02.12.2021

Em sua determinação, Moraes ainda criticou a Procuradoria-Geral da República. Segundo o ministro, não caberia à PGR abrir apuração interna já que o STF foi provocado a partir de uma notícia-crime contra o presidente.

"Não basta ao órgão ministerial que atua perante a corte, no caso, a Procuradoria-Geral da República, a mera alegação de que os fatos já estão sendo apurados internamente. Para que a supervisão judicial ocorra de modo efetivo e abrangente - inclusive em relação a futuro arquivamento e incidência do artigo 18 do CPP -, é indispensável que sejam informados e apresentados, no âmbito do procedimento que aqui tramita, documentos que apontem em quais circunstâncias as investigações estão sendo conduzidas, com a indicação das apurações preliminares e eventuais diligências que já foram e serão realizadas. Apenas dessa forma é possível ter uma noção abrangente e atualizada dos rumos dessa fase da persecução criminal", escreveu Moraes.

Fonte