Juros futuros fecham em queda firme, com covid e fala de Campos Neto no radar

1 mês atrás 19

No momento em que os mercados globais debatem os possíveis impactos de uma nova variante do coronavírus descoberta na África do Sul, os juros futuros se ajustaram em queda firme no pregão desta sexta-feira (26), em linha com o recuo observado nas curvas de juros ao redor do globo.

Além dos fatores globais, os participantes do mercado se mantiveram atentos ao cenário interno e novas declarações do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, também foram monitoradas pelos agentes e deram apoio a um aumento na inclinação da curva brasileira nos últimos dias.

No fim da sessão regular, a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023 caiu de 12,145% no ajuste anterior para 11,84%; a do DI para janeiro de 2024 recuou de 11,97% para 11,795%; a do contrato para janeiro de 2025 cedeu de 11,86% para 11,73% e a do DI para janeiro de 2027 passou de 11,81% para 11,71%.

— Foto: Luis Ushirobira/Valor

Fonte