Isolamento afeta até mosquinhas-da-fruta

1 mês atrás 38

Ao menos metade dos brasileiros engordaram durante a pandemia, segundo pesquisa do Instituto Ipsos. Por um lado, a notícia poderia ser comemorada: como ser animal significa ter que procurar alimento suficiente todo santo dia (pois não fazemos fotossíntese, como as plantas), engordar por definição requer ingerir mais energia do que se consome.

Você ganhou peso durante a pandemia? Parabéns, privilegiado: você teve comida mais que suficiente, e muito provavelmente, não precisou continuar batendo perna ou se apertando no transporte público, exposto à roleta russa do vírus. Sobretudo, você não morreu.

Feita a ressalva de que se preocupar com sobrepeso em pandemia é problema de privilegiado, vamos às considerações. Por que ficar trancado em casa haveria de expor tantos sortudos a esse problema, quando o cérebro em princípio sabe perfeitamente regular nosso apetite e ingestão alimentar?

Inatividade física é certamente um fator. Além disso, aposto que a falta de assunto do confinamento é um fator de risco para o aumento de frequência de visitas à geladeira —embora eu não conheça estudos sobre este tópico em particular (e imagine que o brasileiro investigado logo daria um jeitinho de burlar contadores de aberturas-de-porta-da-geladeira em pesquisas do gênero).

Mas nem tudo é culpa do nosso ócio ou preguiça: até mesmo em mosquinhas-da-fruta, o isolamento social crônico é suficiente para deixar o cérebro esfomeado, segundo um estudo feito na Universidade Rockefeller, nos EUA.

Mosquinhas de laboratório são normalmente criadas em grupos, sempre com alimento abundante, mas ingerem uma quantidade estável de alimento. Tem sempre sobrando.

Mas, após uma semana de isolamento contínuo, as mosquinhas ficam irrequietas durante o dia —e, mais importante, ingerem até três vezes mais comida. Se engordam, não sei; os pesquisadores não relatam se pesaram os animais antes e depois do experimento.

Mas fizeram o mais difícil, que foi examinar como a expressão de genes muda com o isolamento. O veredito: o isolamento crônico deixa o cérebro das mosquinhas num estado de expressão gênica semelhante ao de inanição, apesar da comida abundante.

Não há como saber se as moscas isoladas se sentem esfomeadas, mas elas certamente se comportam assim, comendo como se não houvesse amanhã —tais quais humanos em quarentena.

Ou seja: se ficar em casa, o bicho do estresse pega; se correr, o bicho do vírus come. Qual é a solução? Vacina, oras. Que bom que ainda há quem invista em ciência no mundo.


Num país de desigualdades extremas como o Brasil, engordar durante a pandemia é um luxo, privilégio dos que têm geladeira e dispensa cheias e podem trabalhar de casa.

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Fonte