Inteligência artificial 'flagra' metade desconhecida das células humanas

1 mês atrás 41

Pessoas usando máscaras de proteção caminham por rua em Paris, França, 27 de maio de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021

Sociedade e cotidiano

As principais notícias, reportagens e artigos sobre sociedade e a rotina cotidiana.

https://br.sputniknews.com/20211128/inteligencia-artificial-flagra-metade-desconhecida-das-celulas-humanas-20425161.html

Inteligência artificial 'flagra' metade desconhecida das células humanas

Inteligência artificial 'flagra' metade desconhecida das células humanas

Um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade da Califórnia norte-americana encontrou tipos de proteínas em células humanas que eram desconhecidas até... 28.11.2021, Sputnik Brasil

2021-11-28T15:41-0300

2021-11-28T15:41-0300

2021-11-28T15:41-0300

sociedade e cotidiano

ciência e tecnologia

nature

eua

inteligência artificial

universidade da califórnia

/html/head/meta[@name='og:title']/@content

/html/head/meta[@name='og:description']/@content

https://cdnnbr1.img.sputniknews.com/img/07e5/0b/1c/20424994_79:0:852:435_1920x0_80_0_0_99e12bd949a8648d07617e2ef1453a33.png.webp

Cientistas afirmam ter descoberto um grande número de proteínas desconhecidas nas células humanas, que representam cerca de metade das existentes, informa um comunicado de quarta-feira (24) da San Diego Health da Universidade da Califórnia (UC), EUA.Para isso os pesquisadores usaram inteligência artificial (IA), que combinou dados de imagens de microscopia de células singulares, incluindo corantes fluorescentes que rotulam e rastreiam as proteínas. Além disso, foram usadas técnicas bioquímicas, com as quais anticorpos direcionados são usados para ligar proteínas específicas e afastá-las da célula para ver o que mais está ligada a ela, tudo isso para criar um "mapa unificado" dos componentes subcelulares.A equipe de cientistas agregou no estudo, publicado na revista Nature, dados de mapas de células globulares, o Atlas de Proteínas Humanas e mapas existentes de interações de proteínas, com os quais o algoritmo de aprendizado de máquina identificou 69 comunidades de proteínas, metade das quais não foram documentadas até agora.Alguns desses grupos de proteínas aparentavam ser responsáveis pela edição das transcrições recentemente feitas do código genético que são usadas para fazer proteínas, enquanto outras bombeiam o abastecimento de dentro e fora das células, famílias de proteínas responsáveis pela organização de cromossomos volumosos e complexos que criam novas proteínas.Os autores da pesquisa se limitaram a observar uma linha de células renais cultivadas por décadas, mas agora planejam aplicar estas técnicas a outros tipos de células.A OMS anunciou na sexta-feira (26) a Ômicron como variante de preocupação, especialmente devido a ter 32 mutações, um número mais alto que nas cepas anteriores, e por ter substituído a variante Delta com uma rapidez muito maior que essa, promovendo a ideia de uma maior transmissibilidade que as anteriores cepas. O número de casos da B.1.1.529 tem aumentado rapidamente na África do Sul nas últimas semanas.

https://br.sputniknews.com/20210129/centenas-de-novos-genes-sao-descobertas-no-genoma-humano-16863586.html

Sputnik Brasil

contato.br@sputniknews.com

+74956456601

MIA „Rosiya Segodnya“

2021

Sputnik Brasil

contato.br@sputniknews.com

+74956456601

MIA „Rosiya Segodnya“

notícias

br_BR

Sputnik Brasil

contato.br@sputniknews.com

+74956456601

MIA „Rosiya Segodnya“

https://cdnnbr1.img.sputniknews.com/img/07e5/0b/1c/20424994_175:0:755:435_1920x0_80_0_0_ad7bbca1f83cacd3c943fd83e9cc17cf.png.webp

Sputnik Brasil

contato.br@sputniknews.com

+74956456601

MIA „Rosiya Segodnya“

ciência e tecnologia, nature, eua, inteligência artificial, universidade da califórnia

Um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade da Califórnia norte-americana encontrou tipos de proteínas em células humanas que eram desconhecidas até agora.

Cientistas afirmam ter descoberto um grande número de proteínas desconhecidas nas células humanas, que representam cerca de metade das existentes, informa um comunicado de quarta-feira (24) da San Diego Health da Universidade da Califórnia (UC), EUA.

Para isso os pesquisadores usaram inteligência artificial (IA), que combinou dados de imagens de microscopia de células singulares, incluindo corantes fluorescentes que rotulam e rastreiam as proteínas. Além disso, foram usadas técnicas bioquímicas, com as quais anticorpos direcionados são usados para ligar proteínas específicas e afastá-las da célula para ver o que mais está ligada a ela, tudo isso para criar um "mapa unificado" dos componentes subcelulares.

"Acontece que você pode fazê-lo com inteligência artificial – olhar para dados de fontes múltiplas e pedir ao sistema para os juntar em um modelo de célula", explicou Trey Ideker, cientista informático e biologista de redes da UC.

A equipe de cientistas agregou no estudo, publicado na revista Nature, dados de mapas de células globulares, o Atlas de Proteínas Humanas e mapas existentes de interações de proteínas, com os quais o algoritmo de aprendizado de máquina identificou 69 comunidades de proteínas, metade das quais não foram documentadas até agora.

Uma cadela de ADN - Sputnik Brasil, 1920, 29.01.2021

Alguns desses grupos de proteínas aparentavam ser responsáveis pela edição das transcrições recentemente feitas do código genético que são usadas para fazer proteínas, enquanto outras bombeiam o abastecimento de dentro e fora das células, famílias de proteínas responsáveis pela organização de cromossomos volumosos e complexos que criam novas proteínas.

Os autores da pesquisa se limitaram a observar uma linha de células renais cultivadas por décadas, mas agora planejam aplicar estas técnicas a outros tipos de células.

"Posteriormente poderemos entender melhor a base molecular de muitas doenças comparando o que é diferente entre células saudáveis e doentes", de acordo com Ideker.

A OMS anunciou na sexta-feira (26) a Ômicron como variante de preocupação, especialmente devido a ter 32 mutações, um número mais alto que nas cepas anteriores, e por ter substituído a variante Delta com uma rapidez muito maior que essa, promovendo a ideia de uma maior transmissibilidade que as anteriores cepas. O número de casos da B.1.1.529 tem aumentado rapidamente na África do Sul nas últimas semanas.

Fonte