Embalagens de plástico podem matar; entenda

1 semana atrás 21

A exposição a ftalatos pode estar associada a mais de 91 mil mortes causadas por problemas cardíacos nos Estados Unidos. Esses produtos químicos são encontrados em muitas embalagens de plástico como de shampoos e maquiagens, além de brinquedos.

Um estudo publicado na revista Environmental Pollution na última terça-feira (12) indica que pessoas com níveis mais altos de ftalatos possuem um risco maior de morte por diversas causas, principalmente problemas no coração.

publicidade

Os ftalatos são comumente usados em brinquedos e embalagens para deixar o plástico mais durável. Esses compostos já eram considerados tóxicos para o corpo humano, mas a quantidade absorvida ao ter contato com os itens plásticos não havia sido ainda associada a um aumento nas mortes.

Mortes causadas por plástico

O estudo foi feito com pessoas com idades entre 55 e 64 anos, ou seja, que estão expostas aos plásticos há bastante tempo. A estimativa é de que essas mortes causem ainda um custo de US$ 40 a US$ 47 bilhões em perda econômica.

“Esses produtos químicos têm uma ficha criminal”, disse à CNN Leonardo Trasande, principal autor e diretor do Centro de Investigação de Riscos Ambientais da NYU Langone . “E o fato da questão é que quando você olha para todo o corpo de evidências, isso fornece um padrão de preocupação assombroso.”

O estudo calculou que entre 91.000 a 107.000 americanos adultos por ano sofreram mortes prematuras relacionadas a esses produtos químicos. Foram analisados dados de mais de 5 mil adultos.

Em defesa, a American Chemistry Council, que representa as indústrias químicas dos Estados Unidos, disse que o estudo não é preciso. “Muito do conteúdo do último estudo é comprovadamente impreciso”, explicou Eileen Conneely.

“Estudos como esses falham em considerar todos os ftalatos individualmente e consistentemente ignoram ou minimizam a existência de conclusões confiáveis ​​e baseadas na ciência sobre a segurança dos ftalatos de alto peso molecular”, completou ainda.

Leia mais:

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

Fonte