Conheça a história do cinema do Conjunto Nacional

1 mês atrás 23

O cinema do Conjunto Nacional, na avenida Paulista, um dos mais tradicionais do circuito de rua da capital, voltou à vida nesta semana, garantindo a continuidade de uma história de 58 anos.

Com o nome de Cine Marquise, em homenagem às salas de rua, foi reaberto ao público no dia 20, um ano e dez meses depois da sessão de "Parasita", em 19 de fevereiro de 2020, que encerrou as atividades do então Cinearte.

A história do cinema instalado no subsolo do Conjunto Nacional começou em 9 de março de 1963, sob o nome de Cine Rio. O filme em cartaz na estreia foi "O Assassino" (1961), estrelado por Marcello Mastroianni. Anúncios sobre o novo cinema, que tinha inicialmente apenas uma sala com cerca de 500 lugares, diziam que era "luxuoso, moderno, confortável, mais uma estrela da cinelândia paulista".

Entre os anos 1960 e 1970, o cinema manteve o mesmo nome, com uma programação voltada a filmes populares. Em setembro 1978, um incêndio atingiu parte do Conjunto Nacional, e houve focos de fogo tanto no Cine Rio quanto no Cine Astor, outra sala instalada no local.

Em 1982, já com o nome de Cinearte, que acompanharia a sala pelas próximas décadas, uma nova administração mudou o perfil da programação, deixando de lado os filmes mais populares. A nova fase foi marcada pela estreia de "Mamãe Faz Cem Anos" (1979), do espanhol Carlos Saura.

Nos anos 1990, uma reforma deixou a estrutura do cinema mais próxima do que é hoje, acrescentando uma sala com cem lugares. Ela foi instalada onde originalmente ficava a bomboniere.

Batizada de Cinearte 2, foi inaugurada em 15 de agosto de 1997, com o filme "Cortina de Fumaça" (1995), de Wayne Wang. A primeira sala, a Cinearte 1, ficou com cerca de 300 poltronas.

Como a maior parte dos cinemas de rua, o Cinearte viveu crises seguidas nos anos 2000, com ameaças de fechamento e perda de patrocínios. Entre 2002 e 2003, a campanha SOS Cinearte mobilizou frequentadores, com abaixo assinados e uma vigília cinematográfica.

Com as iniciativas, surgiram empresas interessadas em aliar suas marcas ao cinema. O nome foi mudando conforme o patrocinador. De Cinearte para Cine Bombril, e, depois para Cine Livraria Cultura. Em 2018, foi a vez da Petrobras, e o cinema passou a se chamar Cinearte Petrobras.

Mas em fevereiro de 2019, no início do governo Bolsonaro, a estatal suspendeu o contrato. Sem patrocinador e diante dos custos de manutenção, o cinema fechou um mês antes da pandemia.

Cine Marquise

Agora, a história recomeça, com nova administração e novos patrocinadores (Globoplay, Empresa Metropolitana de Águas e Energia e Sabesp). Foram mantidas as duas salas, com 370 e 96 lugares.

Inicialmente, uma delas vai receber os filmes da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Na nova versão, o cinema não terá bilheteria. Os ingressos poderão ser comprados pela internet ou na cafeteria.

Uma mudança em um cinema tradicional, onde os frequentadores ainda reconhecerão o piso português da entrada e os tacos de madeira da sala 1. Vamos matar as saudades?

Cine Marquise
avenida Paulista, 2073, Conjunto Nacional. Ingressos: www.ingressos.com ou na cafeteria

Conjunto Nacional já teve outras salas de cinema

O Cinearte, agora Cine Marquise, não é o único cinema da história do Conjunto Nacional. O pioneiro foi o Cine Astor, inaugurado em 9 de março de 1960, com o filme "No Sul do Pacífico" (1958), de Joshua Logan.

A sala tinha mil lugares e dizia ser "o último milagre da ciência e da tecnologia cinematográficas".

A história do Astor terminou em 2001. Aquela altura, uma sala de rua única, com tantos lugares, era um modelo de negócio ultrapassado diante dos cinemas dos shoppings, que exibiam muitos filmes em várias salas.

Anos depois, a Livraria Cultura mudou-se para o espaço, que abriga ainda hoje sua principal loja (quem anda pela livraria pode reconhecer no piso inclinado o local onde ficavam as poltronas do antigo Astor).

No mesmo ano de encerramento das atividades do Astor, o Studio Alvorada, que tinha duas salas na sobreloja do Conjunto Nacional, também fechou as portas. Elas haviam sido inauguradas em julho e setembro de 1988, com o nome de Studio Alvorada 1 e Studio Alvorada 2. Na ocasião, os anúncios do novo cinema prometiam "bons filmes, conforto e qualidade na programação".​

Fonte