Agência reguladora dos EUA se recusa a tomar posição sobre 3ª dose alegando falta de dados da Pfizer

6 dias atrás 11

Américas

13:48 15.09.2021

URL curta

0 0 0

https://cdnbr1.img.sputniknews.com/img/07e5/06/0a/17640311_0:320:3072:2048_1200x675_80_0_0_34cc99a5e2bf706ad5bec84a1af500d9.jpg.webp

Sputnik Brasil

https://cdnbr2.img.sputniknews.com/i/logo.png

https://br.sputniknews.com/americas/2021091518023151-agencia-reguladora-dos-eua-se-recusa-a-tomar-posicao-sobre-3-dose-alegando-falta-de-dados-da-pfizer/

Nesta quarta-feira (15), a farmacêutica Pfizer divulgou dados afirmando que uma dose de reforço contra a COVID-19 após seis meses é necessária para manter sua eficácia contra o vírus.

A Agência de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA, na sigla em inglês) se recusou nesta quarta-feira (15) a tomar uma posição sobre a possibilidade de recomendar uma terceira dose de vacina contra a COVID-19 dizendo que sua equipe ainda não revisou todos os dados disponibilizados pela farmacêutica Pfizer.

"Existem muitos estudos potencialmente relevantes, mas a FDA não revisou ou verificou independentemente os dados subjacentes ou suas conclusões", disse a FDA em um documento de 23 páginas e reproduzido pela emissora CNBC.

A equipe da FDA disse que alguns estudos observacionais sugeriram um declínio da eficácia da vacina Pfizer ao longo do tempo contra o novo coronavírus, em especial contra a variante Delta, mas outros estudos não confirmaram a tendência.

"No geral, os dados indicam que as vacinas [contra a] COVID-19 atualmente licenciadas ou autorizadas pelos EUA ainda oferecem proteção contra a doença COVID-19 grave e morte nos EUA", diz a nota.

© AP Photo / Oded Balilty

Judeu ultraortodoxo recebe vacina da Pfizer/BioNTech perto de Jerusalém, em Israel

Dados da Pfizer

Novos dados sobre a vacina Pfizer contra a COVID-19 divulgados nesta (15) mostram que seus receptores precisam de uma injeção de reforço depois de meio ano para manter sua eficácia contra o SARS-CoV-2, incluindo a variante Delta, de acordo com documentos da empresa.

"Dados recentes de Israel e dos EUA no contexto da circulação da variante Delta sugerem que a proteção da vacina contra a infecção por COVID-19 diminui aproximadamente seis a oito meses após a segunda dose", concluiu o estudo da Pfizer.

Fonte