Ranking das Universidades e instituições de ensino superior do Brasil que participaram do Enade (2011)


O Índice Geral de Cursos da Instituição (IGC) é um indicador de qualidade de instituições de educação superior, que considera, em sua composição, a qualidade dos cursos de graduação e de pós-graduação (mestrado e doutorado).

No que se refere à graduação, é utilizado o CPC (conceito preliminar de curso) e, no que se refere à pós-graduação, é utilizada a Nota Capes. O resultado final está em valores contínuos (que vão de 0 a 500) e em faixas (de 1 a 5).

O CPC é uma média de diferentes medidas da qualidade de um curso. As medidas utilizadas são: o Conceito Enade (que mede o desempenho dos concluintes), o desempenho dos ingressantes no Enade, o Conceito IDD e as variáveis de insumo. O dado variáveis de insumo – que considera corpo docente, infra estrutura e programa pedagógico – é formado com informações do Censo da Educação Superior e de respostas ao questionário socioeconômico do Enade.

A forma do cálculo do CPC tem implicações sobre a representatividade do IGC. Para um curso ter CPC é necessário que ele tenha participado do Enade com alunos ingressantes e alunos concluintes. Portanto, o IGC é representativo dos cursos que participaram das avaliações do Enade, com alunos ingressantes e concluintes.

Como cada área do conhecimento é avaliada de três em três no Enade, o IGC levará em conta sempre um triênio. Assim, o IGC 2007 considerou os CPC’s dos cursos de graduação que fizeram o Enade em 2007, 2006 e 2005; o IGC 2008 considerou os CPC’s dos cursos que participaram do Enade em 2008, 2007 e 2006; e assim, sucessivamente. A medida de qualidade da graduação que compõe o IGC é igual à média dos CPC’s para o triênio de interesse.

RANKING IGC 2010 (TRIÊNIO 2008-2009-2010)

IGC 2010 (TRIÊNIO 2008-2009-2010)

37,3% das instituições de ensino superior estão abaixo da média. Elas tiveram nota 1 e 2 no Índice Geral de Cursos do MEC. No ano anterior, índice foi de 32,7% de instituições abaixo da média.

Do total, 9 instituições, 0,49%, tiveram nota 1 e 674, 36,8%, ficaram com nota 2. O maior grupo ficou na nota média 3, com 985 (53,9%).

Outras 131 intituições (7,16%) obtiveram média 4, e um total de 27 universidades e faculdades conseguiram a nota máxima 5, correpondente a 1,47% das instituições que obtiveram notas. A avaliação teve ainda 349 instituições que não tiveram a participação mínima de dois alunos ingressantes e dois alunos concluintes nos cursos avaliados pelo Enade.

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), que pela primeira vez participou da avaliação, obteve a liderança no ranking entre as universidades e instituições públicas neste ano, com 4,69 pontos.

A Universidade de São Paulo (USP), que costuma aparecer em primeiro lugar entre as instituições brasileiras em rankings internacionais, não aparece na avaliação pois não participa do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), que é usado no cálculo

A instituição com maior índice contínuo (4,89) é privada – é a Escola Brasileira de Economia e Finanças (Ebef), que fica no estado do Rio de Janeiro e é vinculada à Fundação Getúlio Vargas (FGV). A Faculdade de Administração de Empresas (Facamp) foi a segunda colocada, com 4,74 pontos. Ambas são particulares.

RANKING IGC 2009 (TRIÊNIO 2007-2008-2009)

IGC 2009 (TRIÊNIO 2007-2008-2009)

Em 2009 foram avaliadas 6.804 graduações em administração, arquivologia, biblioteconomia, ciências contábeis, economia, comunicação social, design, direito, estatística, música, psicologia, relações internacionais, secretariado executivo, teatro e turismo, e os cursos superiores de tecnologia em design de moda, gastronomia, gestão de recursos humanos, gestão de turismo, gestão financeira, marketing e processos gerenciais.

Quase 34% dos cursos superior obtiveram resultado insatisfatório. Ao todo, 1.696 graduações tiveram nota 1 ou 2 no Conceito Preliminar de Curso (CPC), isso significa que um em cada três cursos é de baixa qualidade. A maioria dos cursos (51,47%) foi considerada razoável – obteve nota 3. Apenas 15% atingiram CPC 4 e 5.

Em 2009, 2.137 instituições foram avaliadas pelo IGC (344 não tiveram conceito). Apenas 25 alcançaram o conceito máximo (5), equivalente a 1,39% do total de instituições avaliadas e 124 tiveram nota 4 (6,92%). A maioria das instituições, 945, teve desempenho regular (3). Mais de 38% tiveram desempenho insatisfatório (conceitos 2 e 1), 699, e ficarão sob supervisão do MEC. Elas devem sanar as deficiências e, caso não sejam aprovadas pelo ministério, podem ter seus cursos descredenciados.

RANKING IGC 2008 (TRIÊNIO 2006-2007-2008)

IGC 2008 (TRIÊNIO 2006-2007-2008)

A Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) é, pela segunda vez, a melhor universidade do país, de acordo com o IGC de 2008. A instituição obteve desempenho 5 e pontuação contínua de 439. Esse é o segundo ano em que o índice de qualidade de instituições de ensino superior público e privado é divulgado pelo MEC.

Vele lembrar que a USP e a Unicamp não participam do índice (por serem estaduais, a participação era opcional).

Apenas 1% das faculdades, universidades e centros universitários do país conseguiram nota máxima em avaliação do MEC, de acordo com o IGC de 2008, 21 das 2.001 instituições conseguiram o conceito 5, que é o melhor.

Com notas ruins, conceitos entre 1 e 2, ficaram 29,4% das instituições – 588 das 2.001 faculdades. Delas, 570 tiraram notas 2, e 18, nota 1. Nove instituições estão sob a mira do MEC, porque tiraram nota insatisfatória no IGC, por dois anos consecutivos, o desempenho dessas escolas foi inferior ao esperado. Uma delas, inclusive, já foi descredenciada – a Faculdadade Cidade de João Pinheiro, de Minas Gerais, completam a lista:

  • Centro de Ensino Superior de Valença – RJ
  • Escola Superior de Agronomia de Paraguaçú Paulista – SP
  • Faculdade de Educação Física de Foz do Iguaçu – PR
  • Esefap (Escola Superior de Educação Física da Alta Paulista) – SP
  • Faculdades Integradas da Terra de Brasília – DF
  • Faculdades Integradas Espírita – PR
  • Instituto de Ensino Superior Materdei – AM
  • Universidade Ibirapuera – SP
IGC 2007 (TRIÊNIO 2005-2006-2007)

Nessa primeira edição do IGC foram avaliadas 173 universidades, 131 centros universitários e 1.144 faculdades, institutos isolados e outras modalidades de ensino superior. Das 1.837 instituições cadastradas no MEC em 2008, 21,2% não fizeram parte da avaliação.

A USP e a Unicamp ficaram fora do novo ranking do Ministério da Educação porque elas não participaram do Enade, Por serem estaduais, a participação era opcional.

A PUC Rio e a PUC São Paulo são as duas únicas instituições privadas a aparecer entre as 40 melhores universidades, segundo o “Índice Geral de Cursos”. Já entre as 40 piores, 33 são universidades particulares.
A pior de todas, de acordo com o ranking, é a Universidade Iguaçu, na Baixada Fluminense, entre as universidades públicas, a pior colocação ficou com a Uncisal (Universidade de Ciências da Saúde de Alagoas).

Além do desempenho dos alunos, o índice leva em conta também a estrutura física das instituições, como laboratórios e bibliotecas e o número de professores com mestrado e doutorado.

O exame avaliou também 1.144 centros universitários e faculdades, os resultados aparecem num ranking à parte.

As instituições de ensino com as piores notas serão obrigadas a melhorar o desempenho no ano que vem, caso contrário, as sanções poderão chegar até a proibição de realizar novos vestibulares.

ARTIGOS RELACIONADOS
Política de Privacidade • 2018 (CC)