Ranking das Melhores cidades Brasileiras Segundo IFDM (índice firjan de desenvolvimento municipal)


O Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM) nasceu em resposta à necessidade de se monitorar anualmente o desenvolvimento sócio-econômico de uma região, considerando as diferentes realidades de sua menor divisão federativa: o município.

Emprego & renda, Educação e Saúde constituem as três esferas contempladas pelo IFDM, todas com peso igual no cálculo para determinação do índice de desenvolvimento dos municípios brasileiros.

O índice varia de 0 a 1, sendo que, quanto mais próximo de 1, maior será o nível de desenvolvimento da localidade, o que permite a comparação entre municípios ao longo do tempo.

O IFDM distingue-se por ter periodicidade anual, recorte municipal e abrangência nacional. Por ter recorte municipal, foram privilegiados os aspectos básicos indispensáveis ao desenvolvimento local.

VARIÁVEIS QUE COMPÕEM O CÁLCULO DO ÍNDICE IFDM

[list type=green]

    Emprego & Renda:

  • Geração de emprego formal
  • Estoque de emprego formal
  • Salários médios do emprego formal

[/list]

[list type=yellow]

    Educação

  • Taxa de matrícula na educação infantil
  • Taxa de abandono
  • Taxa de distorção idade série
  • Percentual de docentes com ensino superior
  • Média de horas aula diárias
  • Resultado do IDEB

[/list]

[list type=red]

    Saúde

  • Número de consultas pré-natal
  • Óbitos por causas mal definidas
  • Óbitos infantis por causas evitáveis

[/list]

A leitura dos resultados – seja por áreas de desenvolvimento, seja pela análise dos índices finais – é bastante simples, Com base nessa metodologia, estipularam-se as seguintes classificações:

a) municípios com IFDM entre 0 e 0,4 à baixo estágio de desenvolvimento;

b) municípios com IFDM entre 0,4 e 0,6 à desenvolvimento regular;

c) municípios com IFDM entre 0,6 e 0,8 à desenvolvimento moderado;

d) municípios com IFDM entre 0,8 e 1,0 à alto estágio de desenvolvimento.

Principais vantagens do IFDM em comparação com o IDH-m

[list type=check]

  • Enquanto o IFDM é anual, o IDH-m é decenal*. Dessa forma, graças ao IFDM, é possível assistir ao filme em vez de ver apenas fotos esparsas a cada dez anos. Assim, o IFDM pode ser considerado uma ferramenta de gestão pública, na medida em que permite o acompanhamento sistemático da realidade dos municípios brasileiros.
  • O IFDM permite a comparação relativa e a absoluta entre municípios ao longo do tempo, uma vez que sua metodologia possibilita determinar com precisão se a melhora relativa ocorrida em determinado município decorre da adoção de políticas específicas, ou se o resultado obtido é apenas reflexo da queda dos demais municípios. O IDH-m, por sua vez, permite apenas a comparação relativa, pois as notas de corte são determinadas pela amostra do ano em questão.
  • Enquanto o IFDM foi criado para avaliar o desenvolvimento dos municípios, com
    variáveis que espelham, com maior nitidez, a realidade municipal brasileira, o IDH-m é mera adaptação do IDH, desenvolvido para analisar os mais diferentes países.

[/list]
*O IDH-m é realizado com base nos dados do Censo Populacional que, atualmente, é realizado no Brasil a cada dez anos.

RANKING IFDM

RANKING DAS 50 MELHORES CIDADES (IFDM 2010)

RANKING IFDM 2010 – ANO BASE 2007 Aqui o ranking completo com todos os 5.564 municípios Brasileiros (formato PDF, 102 Páginas).

RANKING DAS CAPITAIS (IFDM 2010)

RANKING DAS 50 MELHORES CIDADES (IFDM 2009)

RANKING IFDM 2009 – ANO BASE 2006 Aqui o ranking completo com todos os 5.560 municípios Brasileiros (formato PDF, 117 Páginas).

RANKING DAS CAPITAIS (IFDM 2009)

ARTIGOS RELACIONADOS
Política de Privacidade • 2018 (CC)