Estudo de Harvard revela que Google gera 1.400 toneladas de dióxido de carbono por dia


Segundo estudo da universidade americana Harvard, duas buscas no Google geram tantos gases quanto ferver água numa chaleira elétrica, ou seja, 14 gramas de dióxido de carbono (CO2). Parece pouco, mas multiplique isso por 200 milhões de buscas diárias feitas em todo o planeta. (7 gramas x 200 milhões = 1.400 toneladas por dia)(Revealed: the environmental impact of Google searches)

O Google é um dos sites mais rápidos do mundo e é justamente nessa excelência de serviço que mora o problema, a sua eficiência e a rapidez só são possíveis porque ele utiliza diversos bancos de dados ao mesmo tempo, como aciona mais fontes simultaneamente, produz mais dióxido de carbono em relação a outros sites que lhe fazem concorrência, mas não dispõem da mesma agilidade e quantidade de informações.

O estudo ainda afirma que, caso nada seja feito, essas emissões tendem a crescer na casa dos 5% ao ano, preocupado com essas questões, o Google lançou a versão “menos poluente” do seu site de buscas, chamado Blackle, ele possui fundo preto e isso economiza o equivalente a 14 watts por acesso.

Os monitores gastam mais energia ao mostrar uma tela branca. (O branco é o conjunto de todas as cores do espectro da radiação visível, o preto é a ausência de luz)

ARTIGOS RELACIONADOS
Política de Privacidade • 2018 (CC)